O que você vai ler:

  • Como surgem as ideias?
  • Porque a criatividade e a inovação estão ligadas, mas não são a mesma coisa?
  • Descubra porque velocidade e impacto são pontos chaves de sucesso nos projetos atuais

 

IDEIAS: DE ONDE ELAS VÊM

Ideia: todo mundo tem! Todo mundo poder ter uma. Toda ideia nasce de uma motivação: resolver um problema, solucionar um desafio, responder a uma vontade ou a um desejo. Não importa, sempre há um gatilho.

A ideia é o início da construção de soluções que surgiram no mundo ao longo do tempo e da história. A solução pode estar focada na melhora de algo na sua vida, na vida de sua família e amigos, no seu bairro ou cidade.

A ideia tem uma JORNADA a seguir. Pode ser traduzida num caminho com sete fases ou passos principais. Uma jornada como qualquer caminho ou viagem não é algo 100% suave, pode ter obstáculos, desvios, barreiras. Mas essas coisas não nos impedem de viajar. Os passos são: 

  1. INCONSCIÊNCIA: é a fase da incubação, a ideia nem surgiu ainda, nem tem forma. O que há é a matéria prima para ela. Nossas experiências, repertórios, referências, nossos conhecimentos e informações.
  2. MOTIVAÇÃO: é o gatilho que movimenta o nascimento da ideia. É como se os elementos e a matéria prima começassem a se movimentar.
  3. CONSCIÊNCIA: nesse momento a ideia começa a ganhar forma, ela começa a aparecer. É o momento em que são feitas as combinações, as conexões usando exatamente os elementos que estão na “incubadora”, ou seja, dentro de nós e também dentro das pessoas com quem nos relacionamos.
  4. IMAGINAÇÃO: esse é o momento da mágica, do sonho, da viagem. Aqui não deve haver censura, freios ou filtros – ou perdemos a oportunidade de criar algo novo, desafiador, incrível.
  5. EXPLICAÇÃO: esse é um passo importante, um marco dentro da jornada. É o momento que decidimos compartilhar, contar nossa ideia para os outros, para uma terceira pessoa.É aqui que testamos a nossa capacidade de “traduzir” nossa ideia em algo palpável. Esse é o momento que prepara para a manifestação da ideia.
  6. MANIFESTAÇÃO: é o momento em que colocamos a ideia no papel. É o momento que falamos “Essa ideia é tão boa que preciso colocar ela no papel!”
  7. MATERIALIZAÇÃO: a etapa final da jornada. O momento em que a ideia saio do papel para o mundo! Para que isso aconteça ela precisa ter valor para alguém.

O momento da manifestação, o valor é importante. Pra entender isso basta lembrar de um momento na sua vida, em qualquer fase dela, em que você teve uma ideia incrível (valor para você) e ao dividir com outra pessoa ela ficou com a famosa cara “protetor de tela”, ou seja, a sua mágica ideia não tinha valor pra ele e portanto ela não se materializa.

Cada um desses passos pode durar alguns minutos ou demorar meses, até anos. Afinal, como disse, é uma jornada de perigos e obstáculos. Quem aí teve uma ótima ideia e nunca dividiu com ninguém? E quem contou a ideia para alguém e a pessoa não entendeu o que foi explicado? Ou mesmo chegou a colocar a ideia de forma clara e organizada no papel, mas ele continua lá, na sua gaveta, por vários meses.

 

NOVO MUNDO, NOVAS SOLUÇÕES, IMPACTOS

Toda ideia nasce de um motivo, o gatilho. A ideia pode ser a solução para um desafio, a resposta para uma demanda, a identificação de uma oportunidade ou o fruto de uma visão de futuro que está chegando logo mais.

Até aqui nada de novo. Na história humana sempre buscamos soluções para problemas, desafios, enxergamos oportunidades. O que é diferente no mundo atual é que as mudanças estão acontecendo de forma exponencial[1] e disruptiva[2]! Ou seja, os “gatilhos” que geram, desencadeiam o nascimento da ideia e o surgimento da solução também estão mudando com a mesma intensidade. As novas soluções precisam ganhar velocidade e impacto – o efeito causado por uma ação ou a influência de algo no mundo ou na história de uma pessoa, povo, civilização.

E, afinal, de que desafios e mudanças estamos falamos? De desafios antigos que ganham uma nova escala e intensidade: pobreza, fome, desigualdade, equidade, acesso a educação. E de novos desafios: maior população da história da humanidade, longevidade dessa população, acesso aos recursos é limitado e a existência deles também, compartilhamento de ideias, de criação e de trabalho, movimento hacking, mobilidade urbana, entre outros.

 

CRIATIVIDADE E INOVAÇÃO

Criatividade é a capacidade que todo mundo tem mas que deve ser desenvolvida com trabalho, estudo, treino e com o objetivo de resolver os desafios do mundo. Pois o acaso favorece as mentes preparadas.

Inovação é tudo aquilo que é capaz de gerar mudança. Olhar o mundo a sua volta, os sinais, as referências, as tendências atuais e futuras e criar soluções para isso.

A combinação da inovação e da criatividade, somadas às visões de impacto e da velocidade tem gerado novas soluções que, em um tempo muito curto, fazem parte das nossas vidas cotidianas hoje em dia.

Exemplos disso são processos de co-criação (juntar pessoas para melhorar o desenvolvimento e a implantação de um serviço ou produto), o co-working (modelo de trabalho que promove e incentiva a troca, o compartilhamento, a colaboração e o networking), a inovação aberta (P&D realizadas de forma aberta com envolvimento direto de terceiros para alavancar melhoras em produtos, serviços e processos), negócios sociais (empresas gerenciadas como os negócios tradicionais mas que tem como missão e propósito solucionar um problema social, ambiental ou econômico e que, apesar de gerarem dividendos, não distribuem esses resultados). E tantas outras que vemos surgir em todos os lugares do mundo em nos mais variados contextos.

IDEIAS DE IMPACTO são aquelas que geram soluções para os DESAFIOS ATUAIS E FUTUROS de uma forma CRIATIVA E INOVADORA que promovem e vão promover as mudanças nas ESCALAS e na VELOCIDADE que o mundo e seus desafios o permitam.

=============

[1]  A teoria das mudanças aceleradas diz respeito ao aumento na taxa de inovação tecnológica (e às vezes social e cultural) progredindo ao longo da história, o que pode sugerir a mudança mais rápida e mais profunda no futuro. Uma análise da história da tecnologia demonstra que a mudança tecnológica é exponencial, ao contrário do senso comum. Está intimamente associada com as idéias e os escritos de Raymond Kurzweil, especialmente em relação às suas teorias sobre a singularidade tecnológica. “visão linear ‘intuitivo. Portanto, não teremos a experiência de 100 anos de progresso no século 21 — ele será mais parecido com 20000 anos de progresso (na taxa de hoje).
[2] Disrrupção: É um produto ou serviço que cria um novo mercado e desestabiliza os concorrentes que antes o dominavam. É geralmente algo mais simples, mais barato do que o que já existe ou algo capaz de atender um público que antes não tinha acesso ao mercado. Em geral começa servindo um público modesto até que abocanha todo o segmento. Clayton Christensen, professor de Harvard, inventou o termo e se inspirou no conceito de “destruição criativa” cunhado pelo economista austríaco Joseph Schumpeter em 1939 para explicar os ciclos de negócios – segundo o qual o capitalismo funciona em ciclos, e cada nova revolução (industrial ou tecnológica) destrói a anterior e toma seu mercado.