O Whow! Festival de Inovação aconteceu em São Paulo nos dias 24 a 26 de julho discutindo vários temas sobre inovação e promovendo visitas à projetos realizados por empresas e organizações. No painel que discutiu a CRIAÇÃO DE NEGÓCIOS SOCIAIS E DE IMPACTO no atual contexto foram apontados os pontos de desafio e de sucesso para estes negócios e empreendedores.

Para os participantes os fatores de sucesso e desafios são os seguintes:

  1. PLANEJAMENTO FINANCEIRO SÓLIDO DE CURTO PRAZO: a grande maioria dos empreendedores e dos negócios no Brasil têm boas ideias e soluções, bom modelo de negócios, bons processos de gestão mas não constroem e trabalham o planejamento de curto prazo. Sim, é preciso gerar impacto e mudar, alterar o contexto foco do negócio, mas antes disso, é preciso garantir a viabilidade do negócio.

  2. EQUIPE PARA GERENCIAR E IMPLEMENTAR O NEGÓCIO: fundamental construir uma equipe diversa e com diferentes perfis para garantir a gestão e a implementação dos negócios de forma efetiva e eficiente.

  3. DEFINIR INDICADORES DE CURTO PRAZO PARA O SEU NEGÓCIO: a maioria dos negócios sociais e de impacto se preocupam e focam em definir e demonstrar os indicadores de impacto dos seus negócios mas têm pouco desenvolvido os indicadores de curto prazo com foco no negócio. É preciso primeiro tratar da métrica do negócio e ter foco, depois focar nos indicadores de impacto. É importante que sejam simples, objetivos e focados: metas de vendas, meta de clientes, geração de recursos, meta de lucro, capital de giro, etc.

  4. CONHECER O PROBLEMA: entender a dor daquele ou do contexto, do problema que o negócio quer atender. Isso demanda tempo, análise e planejamento. Isso é um desafio no Brasil porque a maioria dos empreendedores tem um perfil operacional, de construir e ir fazendo, já entrando e operação. Mas o risco é “achar” que sabe qual é a demanda e construir o modelo e o piloto (MVL – Minimum Viable Product/Produto Viável Mínimo)*

  5. SAIBA FALAR NÃO para as várias oportunidades: mantenha o foco e mantenha o seu planejamento. Oportunidades aparecem ao longo do processo de empreendedorismo e, ainda que sejam extremamente interessantes e tentadoras, é preciso manter o foco para ter sucesso na implementação e continuação do seu negócio e assim ampliar as chances de seu sucesso.

  6. SEJA SIMPLES: faça as coisas de forma e de um jeito simples, não complique. O sucesso e a continuidade do negócio e sua sobrevivência não depende de ferramentas e processos complexos, mas sim de processos, ferramentas, indicadores que façam sentido para o negócio, para sua equipe, para parceiros e financiadores e permitam acompanhar e corrigir o trajeto ao longo do caminho do empreendimento.

  7. CONCEITO DE IMPACTO: Negócios de impacto desejam e são criados para gerar impacto e isso é importante. Há uma discussão ampla sobre o conceito de impacto que entende que as iniciativas que buscam garantir os elementos básicos para qualquer ser humano são ações, projetos e negócios de impacto. E por condições mínimas falamos de condições e acesso a saúde, moradia, alimentação, estudo. (**)

  8. EXPANDIR FORA DO EIXO SUDESTE: 1% das empresas no Brasil respondem por 67% dos postos de trabalho e  23% do PIB do país é gerado através de trabalho informal. 70% da população brasileira vive fora dos grandes centros ou eixos do país e é preciso fazer chegar a informação, as ferramentas, os processos, os recursos humanos, materiais e financeiros à estas regiões.

  9. TROCA ENTRE OS EMPREENDEDORES: o empreendedor brasileiro é muito solitário e muito fechado, é preciso mudar essa cultura. Os empreendedores precisam se abrir, trocar informações, compartilhar aprendizados com outros que estão vivendo o mesmo momento que ele. Isso lhe dá força e mais resiliência para dar continuidade ao seu trabalho e construção de seu negócio.

  10. ACESSO A RECURSOS E FINANCIADORES: somente a educação financeira e o planejamento financeiro muito bem estruturado vai permitir aos empreendedores ter acesso aos recursos financeiros disponíveis no mercado. Hoje há um vácuo entre os financiadores e empreendedores e, segundo as análises dos especialista, isto acontece porque os empreendedores ainda não conseguem, de maneira efetiva, demostrar a viabilidade de seu negócio do ponto de vista financeiro e da rentabilidade, além da replicabilidade de seu modelo. E também porque os investidores têm uma visão de curto prazo e de resultado e “esquecem” a visão de médio e longo prazo que faz parte da natureza e da razão de existir dos negócios de impacto. Importante também se associar a investidores que acreditem no seu negócio, ele têm que ser um parceiro – e evitar o chamado “smart money” (***)

  11. RESILIÊNCIA E INSISTÊNCIA: os empreendedores precisam ter a capacidade de lidar com os desafios e obstáculos de construção de seu modelo e de seu negócio e também tem de manter o foco e persistir apesar dos obstáculos e dificuldades. Também precisa entender que o processo de desenho, construção, implementação e escalonamento demandam um tempo natural de criação e amadurecimento.

REFERÊNCIAS ADICIONAIS

(*) MVL = Produto Viável Mínimo é a versão mais simples de um produto que pode ser lançada com uma quantidade mínima de esforço e desenvolvimento. Um MVP ajuda os empreendedores a iniciarem o processo de aprender da forma mais rápida possível, pois poupa tempo e esforços. Porém, ele não é necessariamente o menor produto imaginável. Ao contrário do desenvolvimento tradicional de produtos, que geralmente envolve um longo e pensativo período de incubação e busca a perfeição do produto, o objetivo do MVP é começar o processo de aprendizagem, e não finalizá-lo. Ao contrário de um teste de protótipo ou conceito, um MVP foi concebido não apenas para responder questões sobre o design do produto e questões técnicas; seu objetivo é testar hipóteses fundamentais do negócio.

(**) = Conceito de impacto: algumas referências sobre o conceito e medição de impacto: Universidade de Michigan/EUA -http://socialimpact.umich.edu/about/what-is-social-impact/ e ONU – https://business.un.org/

(***) = Para conhecer mais do contexto e desafios dos negócios de impacto no Brasil veja o seguinte relatório: https://www.pipe.social/mapa2017 e https://thegiin.org/knowledge/publication/annualsurvey2016