O QUE VAI LER AQUI:

  • As 4 revoluções da Comunicação
  • Internet: mar dados, informações e comunidades unidas pelo conteúdo
  • Brasil conectado? Descubra afinal como é a internet, a conexão e uso ativo da rede no país
  • Os 4 elementos chaves para ter sucesso na geração de conteúdo e manter o relacionamento com clientes, consumidores, fornecedores e parceiros.

AS QUATRO REVOLUÇÕES DA COMUNICAÇÃO

O ser humano passou por algumas revoluções na comunicação. A primeira quando nós começamos a falar, desenvolvemos a linguagem para nos comunicarmos entre nós. Isso permitiu transmitir conhecimentos adquiridos, contar histórias, aperfeiçoar e avançar no conhecimento.

 Séculos mais tarde veio a segunda mudança. A linguagem foi decodificada em símbolos e depois em alfabetos. esse foi o surgimento da nossa civilização. O conhecimento agora não dependia de estarmos vivos, ele passava de geração em geração, continuava no tempo e estava acessível a quem soubesse decodificar o código – e, diga-se de passagem, que por séculos isso foi para poucos e poucos homens, aliás….

Com a escrita o pensamento pode ser organizado de forma linear, medidas foram criadas, distâncias foram estabelecidas, a ciência criada, a cultura ampliada e desenvolvida. O impacto da escrita na vida do homem foi tão forte que até hoje os historiadores determinam o fim da pré-história e o início da história, ou seja, da civilização e do desenvolvimento pela provável data da invenção da escrita.

No século XX temos uma nova revolução de grandes proporções – a internet. Ela é o primeiro meio de comunicação que junta as duas características dos meios anteriores – fala e escrita:  a interatividade, a troca e também a massividade. Além disso com a internet existe a possibilidade de todos poderem construir, dizer, escrever, falar e serem ouvidos, vistos, lidos. Os estudiosos dizem que com isso o paradigma do pensamento linear está sendo superado por um novo: o pensamento hipertextual, que se organiza via associações diversas e complexas. ao mesmo tempo, o advento do ciberespaço não físico, mas real e com relações tão reais como as que temos no chamado mundo NÃO VIRTUAL.

A internet mudou muito a cabeça e o entendimento das pessoas em termos de comunicação, associação, conexão, trocas, relacionamentos…não há interação física, não há proximidade geográfica: estas comunidades estruturam-se fundamentalmente sobre um único aspecto: o interesse em comum de seus membros. A partir deste interesse, as pessoas conseguiriam criar entre si relações sociais independentes do fator físico, e com o tempo essas relações seriam (ou são) tão poderosas como qualquer laço comunitário e essas comunidades surgiriam através da interação puramente comunicativa entre seus membros, mas afinal o que é essa sociedade da comunicação, da informação que é a internet?

 

O MUNDO ESTÁ CONECTADO? NEM TANTO…

Fonte dados apresentados [i]

No mundo todo somos 7,5 bilhões de pessoas, 54% vivendo em áreas urbanas. Destas 3,7 bilhões com acesso a internet (50%), mas somente 37% são usuários ativos das redes sociais.

Atualmente, 5 bilhões de pessoas têm um smartphone e desses, 34% são usuários ativos da internet usando o telefone como meio de acesso. As plataformas mais usadas são Facebook, FB Messenger, WhatsApp, YouTube. As notícias são boas porque em um ano o crescimento de acesso à internet no mundo foi de 10%, de usuários ativos via computador de 21%. Já no mundo dos celulares o crescimento de pessoas que compraram um celular foi de 5% e o de crescimento de usuários ativos foi de impressionantes 30%. Atualmente, metade do tráfego da rede é feito via computador e via smartphones. Tablets representam 5% do total apenas.

 

E O BRASIL, COMO ANDA NOSSO MUNDO DIGITAL?

Já no Brasil somos 214 milhões de pessoas, dessas 86% da população vivendo em áreas urbanas. Dos brasileiros, 140 milhões (66%) têm acesso a internet e 58% são usuários ativos da internet. Por incrível que pareça, há mais assinaturas assinatura de serviços de internet no Brasil do que população (114%), ou seja, temos mais chips do que pessoas no país! Assim como no caso global, 52% dos usuários utilizam os smartphones para acessar a rede e navegar pela internet. Atualmente, tivemos no Brasil um crescimento – 16% no acesso à internet, 18% de crescimento no número de usuários ativos. Entretanto, houve uma queda nos planos de dados contratados em 10%, ou seja, a crise afetou esse nicho do mercado digital no Brasil.

O smartphone é o meio de acesso a informação mais usado: para ver e-mail, visitar páginas, ver vídeos ou fazer leituras. Dos usuários ativos na internet no Brasil, 63% acessam o YouTube, 62% Facebook, 53% WhatsApp e 40% o Instagram no Brasil. a maioria dos usuários tem entre 18 e 44 anos de idade e são de ambos os sexos.

 

COMO SE RELACIONAR COM PÚBLICOS CHAVES NO MAR DE DADOS E INFORMAÇÃO? QUAL O SEGREDO DO SUCESSO?

O comportamento dos cliente e consumidor (também usuário do mundo digital) diante da quantidade de informação a que eles têm acesso, tem mudado ao longo dos tempos.

 O consumidor não é mais um mero expectador que aguarda a informação chegar até ele, pelo contrário, ele é um desbravador em busca de novidades. Com o surgimento e popularização das redes sociais, elas passaram a ser um dos territórios mais explorado pelos consumidores “desbravadores”.

Segundo os especialistas, para se ter sucesso nesse meio digital cheio de informações, dados, vídeos, noticias, diferentes canais e plataformas de informações o caminho é

  1. Apresentar um conteúdo relevante e com significado para os diferentes públicos chaves de uma empresa, organização, comunidade ou grupo de pessoas com interesses comuns.
  2. Mapear, identificar e oferecer o que é importante para o público naquele momento, suprir suas necessidades de informação, estar dentro dos desejos e necessidades do público-alvo.
  3. A base de qualquer comunicação, é transmitir uma mensagem que o receptor seja capaz de decifra-la, entende-la e absorvê-la.
  4. Deixar um canal aberto para comunicação direta com o seu público-alvo é fundamental. Esta é uma forma eficaz de conhecer seu público de perto, e poder avaliar a reação após oferecer um conteúdo.

O conteúdo relevante é tão importante por esse motivo, ao ser relevante ele se torna necessário. Ao se tornar necessário para um público, ele sempre irá voltar para buscar mais e mais conteúdo, afinal ele se tornou necessário para suprir algo. E dessa forma o público cria um relacionamento com sua empresa, marca e produtos.

CONCLUSÕES

A internet é a nova revolução do mundo da comunicação e do conhecimento e fundamental para a evolução das pessoas, comunidades, empresas, organizações e da sociedade.

O acesso à internet e a inclusão digital (saber operar e navegar nesse universo) são fundamentais para as pessoas, para os países e há uma oportunidade enorme de inclusão no mundo e no Brasil já que temos 35% das pessoas ainda sem conexão e 50% população não é considerada um usuário ativo das redes sociais e, portanto, há uma “exclusão digital” – e de tudo o que ela representa.

A informação é abundante mas nem sempre de qualidade. Os usuários querem conteúdos que seja relevante e que façam sentido para ele, ou seja, que respeitem o seu perfil, que responda às suas necessidades, que esteja alinhado a seus interesses e que fale a sua língua

Qualquer serviço ou produto para ter sucesso precisa considerar na sua estratégia de comunicação a internet e os diferentes canais de interação e redes sociais existentes. Não se tratar de ter uma página no Facebook, postagens do Instagram, enviar mensagens pelo Twitter ou gravar vídeos no YouTube. Se trata de pensar como fazer isso de forma integrada, para quem, colocando que tipo de conteúdos e de que forma.

A visão de uma estratégia e curadoria transmídia de geração e disseminação de conteúdos é o que precisamos implementar em nossas organizações, empresas, entidades, pequenos negócios. Não importa o tamanho, o local, o setor ou o nicho de atuação onde a pessoa, a família, o negociante, o empreendedor ou o empresário atuem. A questão é a mesma!

[i] Relatório Digital South America 2017: https://pt.slideshare.net/wearesocialsg/digital-in-2017-south-américa)