VOCÊ VAI LER SOBRE (8 min leitura)

  • Porque as mudanças geram frustração, ansiedade nas pessoas/profissionais. Como empresas, negócios e organizações podem se preparar pra isso

  • 6 habilidades necessárias hoje para o futuro da nossa vida pessoal e profissional

Meio óbvio hoje falar que o mundo mudou…claro que mudou. Mas o que a gente precisa lembrar é que prometeram umas coisas pra gente que acabaram não rolando…quando eu era adolescente falavam pra estudar, se preparar e capacitar, que aí a gente ia conseguir um trampo, estabilidade, ficar no trabalho e ter uma vida tranquila. Ai se aposentar e curtir a vida. Esse era o padrão…

Depois de 30 anos de vida profissional posso dizer uma coisa: cadê a tranquilidade? Cadê a estabilidade? Cadê o retorno do meu investimento em formação e educação? Calma…eu não tive um ataque nervoso enquanto escrevia esse texto…

Tô falando isso porque essa “frustração” entre o que prometeram e o que temos tá deixando um bando de gente desconfortável, ansiosa, em relação ao trabalho e a vida profissional. O texto, o script foi parar no lixo moçada! Tanto que tem muita gente que tem umas saudades do tempo de antigamente.

Mas muitas das empresas, organizações e negócios ainda têm a mesma estrutura e lógica que foram criadas para responder ao velho “scrip”: horários fixos, bater ponto, evitar flexibilidade de trabalho, não implantar outros regimes de trabalho, medir eficiência por quantas horas “extras” a pessoa ou o departamento fez, uma gestão baseada em poder e hierarquia e não e liderança, receio de inovação e pânico a mudar. E não falo apenas das grandes empresas, mas também das micro e pequenas, dos negócios familiares, das organizações sociais.

Como resultado muita gente não se sente mais “encaixada” ou com vontade de fazer parte do velho sistema. Ou seja, o pessoal não está mais de aguentar esse modelo de trabalho. Não está mais a fim de passar a maioria de suas horas de vida frustrado, p…. da vida com o que faz e continuar parado, estagnado. E buscam uma saída e uma mudança.

Muita gente vai dizer: tá difícil, o país tá em crise, preciso pagar as minhas contas, fácil falar em mudança e seguir sua vocação e seu desejo quando se tem grana….Mas é importante dar uma aviso claro e direto pra vocês:  mudar é algo POSSÍVEL de fazer, mas não disse que isso é algo FÁCIL de fazer! PRECISA TER CORAGEM meu senhor e minha senhora! E para deixar bem claro pra todo mundo: coragem não é não ter medo das coisas, é sim a capacidade de enfrentar o medo! Seguir em frente APESAR do medo!

E devo dizer que quando estou falando de mudança rápida não é apenas uma força de expressão: você sabia que segundo um estudo da universidade de Oxford[1], 47% das profissões (que estão listadas no código americano de profissões e atividades) tem 75% de serem automatizadas nos próximos 20 anos. Ou seja, praticamente metade das profissões que conhecemos hoje vão ser substitutas por computadores e maquinas em 2048! Seu filho pequeno vai estar lá pra ver, eu vou estar lá pra ver e você também vai estar lá pra ver isso acontecer!

Sim, eu sei que isso se parece a um episódio do Black Mirror só que na vida real (aliás, confesso que toda vez que vejo um capítulo dessa serie meu coração acelera…acho que não tenho mais idade pra isso não…fico com medo de ter pesadelo a noite….). Mas calma porque há uma saída para essa situação e sim é possível fazer parte e desfrutar desse mundo em ritmo acelerado de mudanças.

Primeiro RECUPERAR A MEMÓRIA:  é importante lembrar e recuperar nossa memória pra perceber que essa não é a primeira e nem será a única mudança que já vivemos na vida. De repente parece que sofremos uma amnésia coletiva! Como se nunca tivéssemos, no Brasil, passador por crises e mudanças! Só eu nessa minha vida bem vivida vida já vi: a inflação passar de 2.477% ano em 1993 para 6,5% ao ano em 2018. Já comprei coisas, fui ao supermercado e gastei em 6 moedas diferentes: cruzeiro, cruzado (1986), cruzado novo (1989), cruzeiro (mais uma vez em 1990), cruzeiro real (1993) e real (1994), e passei nessa tenra idade de 48 anos por 6 planos econômicos desde 1986:  Plano Cruzado, Plano Bresser, Plano Verão, Plano Collor 1 E 2 E Plano Real.

Segundo: SOMOS UM POVO CRIATIVO E RESILIENTE exatamente por termos passado ao longo de nossa história recente por muitas mudanças e por vivermos em um país que digamos, é bem agitado e muda sempre econômica e politicamente. E só pra citar um exemplo que é bem emblemático do que o povo brasileiro é e também do que é capaz de fazer e também tirar essas “defesas” em relação a nossa capacidade de mudar, de sermos criativos, de sermos um povo resiliente: Rick Chester. Quem está antenado no tema de empreendedorismo deve saber que esse cara bombou nas redes e plataformas digitais nos últimos dias! Sabe porquê? Porque sendo vendedor de água em Copacabana, no Rio de Janeiro, resolveu postar vídeos caseiros e dicas muito boas, simples e diretas sobre como empreender, mudar a vida…e sabe onde ele foi parar? Em Harvard, falando sobre empreendedorismo para uma das melhores universidades do mundo. Vai no canal da Ideia de Impacto que você vai achar o link pro canal do cara – e depois poste seus comentários sobre o que achou…

Dito isso, vamos as 6 habilidades que precisamos desenvolver para garantirmos que no futuro bem próximo – 15 a 20 anos – possamos continuar sendo pessoas e principalmente profissionais que não tenham sido substituídos por esse novo mundo de inovação, tecnologia, conectividade e mudanças rápidas e aceleradas. Hoje vamos falar das 3 primeiras:

  1. INTELIGÊNCIA INTRAPESSOAL: capacidade de se conectar com você mesmo, autoconhecimento, controlar seus medos, saber lidar com suas emoções, gerenciar seus hábitos, saber lidar com o q te causa estresse, perrengue – e esse é um dos maiores gargalos de conhecimento que as pessoas precisam.

  2. INTELIGÊNCIA INTERPESSOAL: que a capacidade q a gente tem de se relacionar com outras pessoas, com outros seres humanos – e pra quem viu o programa Ideia de Impacto da semana passada[2], essa habilidade é um dos elementos chaves para criar inovação de fato no mundo e mudar nossa realidade. Gerar e manter empatia, se colocar no lugar do outro, entender o outro.

Deixe de lado seus preconceitos com conceitos! A chamada autoajuda sofreu tanto preconceito, tanto bullying das pessoas que neguinho deixou de estudar, ler e entender coisas que podiam ajudar justamente nessa habilidade. O preconceito é tanto que tiveram q mudar o nome para desenvolvimento pessoal…e nem assim deu muito certo.

E em relação a essas competências elas têm sido sim um “gargalo” na vida de muitos profissionais porque estão perdendo as habilidades necessárias para conseguir relacionar-se consigo e com as outras pessoas – e, segundo especialistas, o uso EXAGERADO das redes sociais e do mundo virtual pode ser a causa e a razão disso. É surpreendente, mas universidades e empresas andaram fazendo umas dinâmicas e experiências com as pessoas deixando-as em ambientes (como uma sala de estar ou recepção de um escritório) sem o acesso ao celular, sem conexão ou qualquer outra coisa que pudesse distrair essas pessoas. O objetivo era observar a habilidade de interação com os demais e o fato é que muita gente ficou meio sem saber o que fazer. Empresas também estão analisando a capacidade dos jovens em se relacionar sem ser no mundo virtual, porque as competências são outras…E que fique claro que não estou dizendo que uma ou outra sejam ruins ou boas. Apenas que requerem habilidades distintas.

             3.INTELIGÊNCIA CRIATIVA – é a capacidade para dar soluções para os problemas que fogem dos padrões, que sejam criativas e inovadoras. É a capacidade de não apenas seguir o que se conhece, as formulas conhecidas, as melhores práticas, de seguir as tendências. Quem tem inteligência criativa antecipa tendências meu senhor e minha senhora! Porque precisamos disso: porque velhas soluções não vão resolver nos novos problemas – e nem trabalhar com as novas oportunidades! E só pra saberem essa habilidade foi um dos elementos que os pesquisadores usaram para criar o algoritmo no estudo de Oxford que citei no inicio do texto a fim de calcular a probabilidade de uma profissão ou atividade desaparecer nos próximos 15 a 20 anos

Você que trabalha numa empresa, que tem um negócio não segue o que os outros estão fazendo. Usa as melhores práticas, o que deu certo até agora como referência para achar outras soluções, novos caminhos. Não replica, não repete apenas o que os outros estão fazendo!

Resumindo a história de hoje:

  • O mundo é complexo, interligado, interconectado e a receita do bolo de ter uma vida tranquila, com trabalho garantido e receber de volta o investimento e estudos que você fez na vida para poder curtir sua aposentadoria não vai rolar mais. Esse script não funciona. Mas também lembrou que a gente já passou por muitas mudanças, muitos perrengues e seguiu em frente!

  • Que esse mundo vai precisar de um novo tipo de pessoa e de novas habilidades. E o primeiro passo é ter a coragem de fazer essa mudança e encarar o medo de frente. Pegar o toro pelo chifre! E fazer isso de um jeito criativo, coisa que o brasileiro tem de sobra!

  • Que antigas soluções e caminhos não vão dar conta de trabalhar os novos problemas e as novas oportunidades.

  • E a gente falou das habilidades do futuro. Hoje falamos sobre 3 delas (ainda faltam outras 3):

  1. Inteligência intrapessoal – capacidade de relacionamento de você com você mesmo. O tal do desenvolvimento pessoal.

  2. Inteligência interpessoal – sua capacidade de se relacionar com os demais: pessoas, grupos e sociedade.

  3. Inteligência criativa – capacidade de criar e buscar novos caminhos e soluções, para novos e antigos problemas que estão por aí.

Semana que vem continuamos a falar sobre as habilidades de hoje para o futuro!

[1] THE FUTURE OF EMPLOYMENT: HOW SUSCEPTIBLE ARE JOBS TO COMPUTERISATION? https://www.oxfordmartin.ox.ac.uk/downloads/academic/The_Future_of_Employment.pdf

[2] https://www.youtube.com/channel/UCfT4hkNNFovWOTL50uvCP2A/videos?view_as=subscriber